terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Um dia de chuva na Ilha

(Foto: reprodução)

O sol está brilhando, minutos depois as nuvens aparecem e alguns segundos mais tarde chuva começa a cair. Tudo parece normal quando estou em casa vendo televisão ou tentando escrever alguma coisa para publicar usando minha internet super rápida, que não passa 850Kbps, rapidez que era sonho há dez anos, mas hoje não passa de pesadelo oferecido por uma operadora que leva o nome do céu em inglês.

Resolvo sair de casa, é dia de plantão. Percebo que as gotas harmoniosas que faziam uma sinfonia sonolenta no meu telhado parecem gotas de fogo ao tocar o asfalto que cortam a Ilha Paradisíaca em cima da linha do Equador.

A impressão que tenho é que as gotas de chuvas que vão e voltam nesses tempos estranhos do mês de janeiro caem como larvas nos semáforos, que apagam e o trânsito logo para, formado uma filha indiana na cidade mais portuguesa do Brasil.

Os trovões anunciam que a chuva vai continuar. Então percebo que vou passar mais tempo do que o normal na condução amarela, resfriada com uma câmara frigorífica sem força. Pego meu celular e dou uma olhada nas informações que algumas gotas de chuva podem gerar.

Vejo além de apagar os semáforos na Ilha de Luís XIII, a chuva tem o poder de transformar via em rios e casa em portos. Tem gente que até usa uma moto aquática parta dá um 'rolezinho' na Jamaica da América do Sul. Às vezes, isso gera confusão e o noticiário já mostrou que pelo menos dois carros cariam em rios, mas rios mesmo, sem confundir com as avenidas.

Ao chegar aos terminais de integração, as conduções amarelas passam por uma grande mudança. Penso que os pneus vão virar um casco para o trânsito fluir e a viagem ser menor, mas na verdade a única coisa que vejo é que começou a chover dentro do ônibus. Nego pega a sobrinha e abre no coletivo. A água é gelada, diferente a chuva que está caindo lá fora. Na verdade, o gerador de ar frio que está com defeito e condensa do lado errado.

Começo um tour pelas culturas de étnicas que forma a história de Upaon-Açu. Na Avenida Guajajaras a condução amarela 062 não anda direito. Logo vem a minha à memória os anos que passei férias no interior na minha infância. A diversão era acordar cedo para ir para roça. Como eu nunca conseguia acordar, me contentava em peneirar massa de mandioca para fazer farinha ou beiju. Parado aqui nesse ônibus penso quem em vez dos índios, a homenagem da avenida deveria ser ao beiju, porque o asfalto é todo enrolado.

Depois do entrave para passar no portal de entrada que ficar 24km dentro da cidade, consigo ver a Europa, mas precisamente os franceses, os primeiros que desembarcaram aqui após ficarem babando a Ilha lá do outro lado da Baia de São Marcos. Como toda homenagem deve ser bem feita, a Avenida dos Franceses possui o maior ponto de embarque e desembarque da França Equinocial. Como falta dez minuto para o bilhete único estourar o tempo e eu não posso ir pela Alemanha para não pegar engarrafamento pelo Monte Castelo até o Rio Branco, resolvo descer na rodoviária  pegar outro frescão amarelo.

Não sei se francês gosta de ferrugem, sujeira e ratos. Quer dizer, um episódio do Pica-Pau fala isso, mas não sei se é verdade. Só sei que a Rodoviária parece a França velha, aos pedaços. Vi tudo isso no momento em que fui ao banheiro, o feijão da noite anterior não caiu bem.

Volto para o ponto de ônibus, PARADA, como se diz por aqui. E lá vem o Amarelo 071. Pego ele, passo pelo Café e entro de cara na África. Se os escravos sofreram quando vivos, os da Ilha Magnética se remexem no tumulo  toda vez que os dragões de ferros cortam a Africanos, deixando ondas gigantes no asfalto depois. Não sei se as ondas da avenida representam as ondas do Atlântico no percurso África/Nordeste. Só sei que isso é um risco, ainda mais com a chuva que cai na Ilha. Às vezes as cachoeiras do Coroado e Filipinho jorram água demais e se juntam às ondas africanas. Tudo vira um reboliço.

Demoro 40 minutos para chegar na Areinha. Foi aí que me dei conta que a condução amarela vai passar no mesmo lugar do outro frescão que eu estava. Um caminho de placas demarca e mostra a direção  do Centro. Ninguém nunca me pediu tantas desculpas como essas placas, me senti importante até chegar ao Bom Menino e ter a notícia que a causa do pedido de desculpas já terminou. Ah, a Pantheon e Deodoro foram entregues reformas com bustos, umas bolas de cimento e tudo mais, mas o transtorno continua ainda mais com chuva. A obra deixou uma herança, apenas dois caminhos em vez de quatros. Nada mudou, o caos ainda é o mesmo de meses arás.

Entre os gritos e pressa passo pelo Rio Branco, a chuva ainda cai e já estou uma hora atrasado. De repente, como montanha russa o frescão ganha velocidade e vejo a linda vista para o mar, vou admirando tudo a história e a poesia que emanam das primeiras casas de São Luís. Chego ao terminal da Praia Grande e como no passe de mágica sei que roupas vão ser colocadas no varal novamente.

O Sol abriu e no caminho a pé para o trabalho algo começa a saltitar no meu bolso. Como um rádio comunicado com imagens, recebo no celular fotos dos problemas que uma hora e meia de chuva gerou em São Luís. Até o asfalto que foi colocado em outubro já se foi. Chego no serviço, levo uma bronca por atraso e penso aqui comigo: só cai chuva doida nessa ilha danada.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Ex-prefeito de Bequimão trai grupo político e declara apoio a deputado Edilázio Júnior

De forma surpreendente, em uma atitude que foi batizada por alguns integrantes do grupo político que faz oposição ao grupo Sarney, como "transloucada", o ex-prefeito de Bequimão, Antônio Diniz (PDT), traiu seu grupo político e declara apoio ao deputado estadual, Edilázio Júnior (PSD), que trabalha sua pré-candidatura a deputado federal. Após divulgar convite para apresentar, Edilázio, os burburinhos na "Rádio Peão", dão conta de que essa atitude repentina é apenas por uma causa pessoal.

A atitude de Antônio Diniz deixou seu grupo de orelha em pé, e surpreendeu até os mais próximos do ex-prefeito, que sempre apoiou Weverton Rocha, para deputado federal, e muitos eleitores aguardavam um nome indicado por Weverton. O nome de Edilázio foi surpresa, principalmente pelo fato de ser alado ao grupo Sarney, que Diniz sempre criticou.

Que o deputado Edilázio Júnior é genro da Desembargadora Nelma Sarney, todo mundo sabe, agora a aliança de Diniz, ninguém em Bequimão entendeu.  Nas rodas de conversas em Bequimão, o assunto é o mesmo, a pergunta é a mesma, mas a resposta ninguém consegue descobrir. Em São Luís, a notícia surpreendeu muita gente, principalmente integrantes da imprensa, que conhecem a postura de Antônio Diniz.

Muitas lideranças do grupo político que Diniz "faz" parte, sabem que o ex-prefeito  indicou aproximadamente 5 vigilantes na Regional de Pinheiro, um cargo na AGED, e mais um cargo de Gestor da Saúde, na Regional de Pinheiro, mas mesmo assim, Diniz ainda continua batendo no peito e dizendo que não votará em Flávio Dino de forma alguma, mostrando agora que vai cumprir o que falou, pois está levando para Bequimão nada mais, nada menos, que um dos maiores opositores de Flávio Dino, na Assembleia e forte aliado de Sarney e genro da Desembargadora Nelma Sarney.

Em um grupo de Whatsap, muitos integrantes, questionavam o motivo que levou Diniz declarar apoio para um Sarneysista. Alguns chegaram a achar que Antônio Diniz teria rompido com seu grupo, já que no convite aparecem apenas os nomes de Robson Cheira, Janderson Gusmão, Biné, os vereadores Danilo Gusmão e Thiago Almeida, Pastor Assis e o ex-vereador Nestor Júnior (que tenta ressuscitar na política, após declarar em março de 2016, que estaria abandonado a política bequimãoense - VEJA AQUI), mas Antônio Diniz respondeu os questionamentos. "Bom dia. Pessoal no meu entendimento, ninguém está separando nada. Mas, acho que filho se separa de pai, filha se separa da mãe, namorados se separam, irmãos se separam, marido e mulher se separam, etc. Porque políticos não podem se separarem?", descreveu, mostrando que não liga muito para os demais integrantes do grupo, que é liderado pelo ex-prefeito Leonardo Cantanhede.
Ficha suja desde 2014, Antônio Diniz está inelegível por 8 anos após ter duas contas desaprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE). Com o recente posicionamento do Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de não fornecer Liminares para candidatos ficha suja, ou seja, quando estiverem condenados por um colegiado, para concorrer ao pleito, Diniz não tem a menor chance de concorrer as eleições de 2020, o que insiste dizer que será candidato, mesmo sabendo que não pode.

Surge nos bastidores da política, um boato de que a justiça pode pedir a prisão de Antônio Diniz, já que seus bens continuam bloqueados, assim como sua conta bancária com mais de um milhão de reais (R$ 1.791.906,72 - Hum Milhão, Setecentos e Noventa e Um Mil Reais e Setenta e dois Centavos). Seria uma "Super estratégia" para tentar se livrar de algo mais complicado pela justiça, sendo aliado de Edilázio? Nos corredores da política, principalmente nos comitês de imprensa das casas legislativas de São Luís, corre um boato que seria essa a razão da aliança com Edilázio Júnior. Se for essa a estratégia, Diniz pode está dando um tiro certeiro no próprio pé.

ENTENDA DO CASO DE ANTÔNIO DINIZ COM A JUSTIÇA ELEITORAL

Desde 2014 Antônio Diniz responde a vários processos Jurídicas que correm em segredo de justiça, como o que podemos constatar mais em baixo, que culminou com o bloqueio de quase 2 milhões de reais de sua conta bancária, no processo Nº 58105-06.2013.4.01.3700, que corre na Justiça Federal, impetrado pelo Ministério Públco Federal (MPF), no qual acusa o ex-gestor de desviar quase 9 milhões do Erário de Bequimão.

A partir daí Diniz teve todas as casas Bloqueadas pela Justiça, o que inclui sua casa em Bequimão, uma casa e um Sítio no bairro Araçagy, em São Luís, um terreno, próximo ao Farol da Educação, em Bequimão, vários carros, que segundo a justiça, foram adquiridos com o dinheiro desviado, já que foram bloqueados também, uma Hilux de placas OAN 3474/AM, comprada à vista em Manaus-AM, um Pálio de placas NHJ 4467/MA e um VW Golf Vermelho, que deu para seu filho, e uma Máquina Retroescavadeira que, segundo informações, está de posse de um Laranja de Diniz em Bequimão, e que possui uma Olaria, comprada com dinheiro vivo em São Bento.
Além desse processo que tem tirado o sono de Diniz, ele responde a mais no mínimo 4 outros processos. Veja abaixo os números que podem ser pesquisados na justiça.
  • Processo Nº 58107-73.2013.4.01.37009 (Improbidade Administrativa)
  • Processo Nº 23079-44.2013.4.01.3700 (Improbidade Administrativa)
  • Processo Nº 23078-59.2013.4.01.3700 (Improbidade Administrativa)
  • Processo Nº 23077-74.2013.4.01.3700 (Improbidade Administrativa) 
Segundo informações obtidas com exclusividade por este Portal de Notícias, Diniz estaria arrolado a mais outros dois processos, um na esfera federal e outro na esfera estadual criminal, o que seria motivos para os procuradores pedirem uma possível prisão muito em breve.

Por João Filho

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Vereador denuncia golpe contra Lula e contra Democracia


O presidente do Diretório Municipal do PT de São Luís, vereador Honorato Fernandes, em entrevista a rádio Difusora AM, na manhã desta sexta-feira (06) voltou a destacar o fundo político na decretação da prisão do ex-presidente Lula na última quinta-feira (05). Honorato destacou que a constituição está sendo afrontada e a Justiça está de olhos vendados aos seus reais procedimentos, que é fazer valer a Constituição e dar direito de defesa ao cidadão.

“O STF, por agrado ao Juiz de Curitiba, está passando por cima de tudo. Descumprindo prazos e tirando direitos de defesa. A votação no STF foi um espetáculo triste. O voto da Ministra Rosa Weber foi um deboche com a nação onde ela disse que “considera a 2ª Instancia inconstitucional mais que o voto dela seria pela 2ª instancia, e que já avisava que no futuro votaria contra”. Se isso não for deboche o que será”, disse Honorato que ainda destacou os dois pesos na decisão da Ministra Carmén Lúcia que numa situação idêntica votou a favor do HC e que nesta se posicionou contra.

“Este é claramente e sem sombra de dúvidas um julgamento político. Não só contra Lula, mas também contra o povo brasileiro. Temos que ficar atentos e cerrar fileiras contra os desmandos cometidos em nome da Justiça”, ressaltou.
Honorato também frisou que é preciso dar um freio nas atitudes que ferem a Constituição e Justiça cometidas pelo Juiz Sérgio Moro.

“Este Juiz, na sua perseguição a Lula, está rasgando a Constituição. Estão fechando os olhos para os desmandos deste Juiz que deveria ser um cumpridor da Lei. Aonde vamos parar? Sérios precedentes, que ferem o direito a defesa de qualquer cidadão, estão sendo abertos. Isso é um absurdo”, disse Honorato ressaltando que o povo brasileiro, aqueles que realmente sabem o valor de Lula na mudança deste País, não ficaram de braços cruzados a este barbaridade conduzida debaixo dos olhos vendados da Justiça.

“Vamos lutar pela nossa democracia. Vamos lutar pelos nossos direitos e vamos lutar por Lula. Estamos em vigília e assim vamos continuar. Vamos denunciar mais este golpe em todos os espaços, pois esta Luta vale a pena”, finalizou Honorato.

Por Isaias Rocha

quarta-feira, 7 de março de 2018

Academia popular é inaugurada em Bequimão


A cidade de Bequimão recebeu nesta terça-feira (06), a entrega de uma área de lazer completa do projeto Academia para Todos, do Governo do Estado. O novo equipamento de esporte e lazer foi instalado pela Secretaria de Esporte e Lazer (Sedel), em parceria com a Prefeitura de Bequimão, no Largo de Santo Antônio, na Praça da Matriz, Centro da cidade.

“Essa é mais uma parceria que o município de Bequimão faz com o Governo do Estado, dessa vez, trazendo essa academia que vai ajudar muito a saúde e o lazer dos munícipes. Nós já realizamos ações de saúde com aulas de Zumba com professores de educação física e essa academia só vem para somar com nossos esforços”, agradeceu o prefeito de Bequimão, Zé Martins.

A iniciativa do Governo do Estado visa estimular a prática de atividades físicas e serve como alternativa de lazer e interação social, ampliando as possibilidades de acesso a equipamentos públicos de esporte e entretenimento com a estrutura adequada, estimulando hábitos saudáveis e mais qualidade de vida para a população maranhense.

Representando o governador Flávio Dino, o secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, destaca a importância da ação. “Mais uma ação do Governo aqui na cidade de Bequimão se somando a tantas outras ações aqui já realizadas. Hoje, o Governo do Estado contempla o bem-estar físico da população”, destaca Márcio Jerry.

Construída em parceria com a prefeitura de Bequimão e o Grupo FC Oliveira, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, a academia conta com equipamentos que estimulam a musculatura, área de vivência e jardim, tudo para oferecer uma experiência completa a população.

“Esse tipo de academia que estamos levando para o interior do estado traz inúmeros benefícios para a população. Aumenta a qualidade de vida, incentiva a prática de esportes, entre muitos outros benefícios”, destaca o secretário de Estado de Esporte e Lazer, Hewerton Pereira.

Estiveram presentes na solenidade de inauguração o prefeito Zé Martins, o vice-prefeito Magal, os secretários Márcio Jerry (comunicação e articulações) representando o Governo do Estado, Hewerton Pereira (espore e lazer), vereadores, secretários municipais, lideranças políticas, comunitárias e quilombolas e comunidade em geral.

sexta-feira, 2 de março de 2018

Contadores se reúnem para indicar um nome que representará a classe na Assembleia


Os profissionais e empresários de contabilidade do Maranhão se reuniram no Grand São Luís Hotel. Desta vez o encontro não foi para discutir assuntos trabalhistas ou sindicais, mas para decidir o possível nome que representará a classe nas eleições desse ano.

Durante o evento, os profissionais e empresários da área tiveram a oportunidade de opinar, se lançar como pretenso candidato ou escolher um nome. Na reunião, os contadores escolheram, por unanimidade, o contador João Felipe, para representar o grupo no pleito.

Para o contador Pedro Barros é necessário ter união na classe para que a sociedade também possa ser ajudar. “Essa é a primeira vez que nossa categoria se une em só propósito. Nós já fazemos parte da política por meio da contabilidade pública e da prestação de contas dos candidatos, mas queremos um representante no Legislativo para ajudamos também na sociedade” frisou.

Além de empresário contábil, João Felipe foi prefeito de Peri-Mirim, cidade localizada na Região da Baixada Maranhense. Para ele, um representante no Legislativo irá melhorar as condições da classe.

“Ter alguém para lutar pelos direitos é indispensável em todas as classes. A nossa categoria nunca teve uma representação política. Essa é hora de conquistar esse objetivo para melhorar as condições de trabalho da área contábil”, destacou.

Segundo o contador Felipe Arnold, a escolha de João Felipe para disputar uma vaga na Assembleia abre a possibilidade da classe ter um gabinete para discutir as demandas e buscar soluções para problemas existentes.

 “Este é um momento impar, temos a oportunidade de levantar um nome para representar a nossa categoria. Os contadores de todo o estado estão reunido no objetivo de transformar o João Felipe em nosso representante no Legislativo”, relatou.

De acordo com o ex-presidente do Sindicato dos Contabilistas do Maranhão, José Maria da Silva, João Felipe vai elevar a categoria contábil, além de defender a todos na Assembleia. “Conheço o João há mais de vinte anos e sei que ele será um excelente representante no Legislativo, não só para nossa classe, mas também para todos os maranhenses”, enfatizou.

No final do evento, após ser aclamado pela classe contábil, João Felipe tornou público o interesse de disputar as eleições majoritárias deste ano e lançou o nome como pré-candidato a deputado estadual.